Os três obstáculos e as quatro maldades

O simbolismo do Dragão
22 de março de 2018
SOBRE A ESPERANÇA
25 de abril de 2018

Sansho Shima

O conceito budista de Os Três Obstáculos e as Quatro Maldades (sansho shima) elucida e classifica os diversos tipos de obstáculos e impedimentos que surgem ao praticar o budismo. O Buda Original Nitiren Daishonin refere-se a esse princípio em vários dos seus escritos, como na “Carta aos Irmãos”, na qual consta a seguinte passagem: “Se professar o Verdadeiro Budismo, Os Três Obstáculos e as Quatro Maldades (sansho shima) surgirão em sucessão”. (As Escrituras de Nitiren Daishonin, vol. I, pág. 239.)

Nessa frase, Nitiren Daishonin incentiva os irmãos Ikegami, mostrando que os obstáculos surgem justamente por se aprofundarem na prática da fé. Em outras palavras, Os Três Obstáculos e as Quatro Maldades surgem a todo momento, tentando, de alguma forma, impedir nossa prática diária. Por isso, devemos estar sempre preparados para enfrentá-los.

Os Três Obstáculos são:

1) Obstáculo dos desejos mundanos (bonno-sho) ou obstáculos causados pelos três venenos da avareza, ira e estupidez;

2) Obstáculo do carma (gô-sho) ou obstáculo gerado pelo mau carma criado por cometer qualquer um dos cinco pecados fundamentais (1) ou dez maus atos (2). Esse obstáculo pode-se manifestar na forma de oposição da esposa e dos filhos;

3) Obstáculo da retribuição (hô-sho) ou obstáculo das causas negativas criadas por ações dos Três Maus Caminhos (Inferno, Fome e Animalidade). Pode-se manifestar na forma de obstáculos impostos pelo soberano, pais ou outros em posição de autoridade.

No mesmo escrito “Carta aos Irmãos”, Daishonin descreve: “O obstáculo dos desejos mundanos é o impedimento à prática da pessoa causado pela avareza, ira e estupidez; o obstáculo do carma é causado pela esposa ou filhos; e o obstáculo da retribuição é causado pelo soberano ou os pais”. (Ibidem, vol.I, pág. 240.)

As Quatro Maldades são: 

1) Maldade dos cinco componentes (on-ma) ou obstruções causadas pelas funções físicas e mentais da pessoa;

2) Maldade dos desejos mundanos (bonno-ma) ou obstruções originadas pelos três venenos, criando dúvida em relação ao Gohonzon;

3) Maldade da morte (shi-ma) ou obstrução à prática do budismo causada pela morte inesperada ou pela dúvida criada em função da morte prematura de algum praticante;

4) Maldade do rei dos demônios (tenshi-ma) causada pela ação do Demônio do Sexto Céu que diz-se assumir várias formas ou possuir as pessoas com a finalidade de causar dificuldades à prática do budismo. Assim, essa maldade é comumente manifestada na forma de opressão por homens de poder. Esta maldade é considerada a mais difícil de se superar.

O ponto importante é reconhecer que os obstáculos e as maldades são funções tentando nos influenciar e nos amedrontar de forma a obstruir o desenvolvimento de nossa prática da fé. O surgimento dos obstáculos é, na verdade, a maior prova do progresso da nossa fé. Portanto, quando identificamos essas funções, devemos manifestar a força e a coragem para desafiá-las, e jamais permitir que nos derrotem. Quando enfrentamos com toda a perseverança e ultrapassamos esses obstáculos, podemos elevar a nossa condição de vida. Esse é o verdadeiro caminho dos seres humanos para a felicidade.

Notas:
(1) Cinco pecados fundamentais: São as cinco ofensas mais sérias no budismo. Há algumas variações na explanação destes cinco pecados em função dos sutras e tratados budistas. Porém, de acordo com a explicação mais comum, os cinco pecados fundamentais são: 1) matar o pai; 2) matar a mãe; 3) matar um arhat (na atualidade, equivale a um líder extraordinário ou a um praticante do budismo); 4) ferir um Buda; e 5) causar a desunião em uma ordem budista.

(2) Dez maus atos: De acordo com os escritos budistas, os dez maus atos são constituídos de: três maus atos físicos, de matar, roubar e envolver-se em relação sexual ilícita; quatro maus atos verbais, de mentir, bajular (ou discursar usando palavras em vão e sem sentido), caluniar e enganar; e três maus atos mentais, da avareza, ira e estupidez ou de manter visões distorcidas.

Ricardo Dih Ribeiro
Ricardo Dih Ribeiro
Professor e Mestre da Casa da Psicanálise. Psicanalista Clínico com especializações em Psicanálise, Estados Alterados de Consciência. Especialista em Business and Executive Coaching, Self & Professional Life Coaching e Analista Comportamental. Graduado Lídership Coach pela Escola Paulista de Coaching. Graduado em Programação Neuro Linguística. Graduado em Hipnose. Formado em Reflexologia, Florais, Alinhamento Energético e Terapias Complementares. Formado em Técnicas Projetivas Trainer da Escola Paulista de Coaching credenciado pelo IBCI - International Business Coaching Institute. Atua desde 1999 em atividades focadas no comportamento e relacionamento interpessoal com pessoas, grupos corporativos e comunidades. Atende em sua clínica, ministra aulas em psicanálise entre outros cursos dea formações profissionais, supervisiona casos clínicos, coordena grupos de estudos, realizando vivências e treinamentos de autoconhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *